• Bowl

    Adocica: Bowl crocante com mousse de chocolate branco

  • Slider 2

    ADOCICA: BROWNIE DE STIKADINHO NO POTE

  • Slider

    Doces do Mundo: Churros

  • Slider

    DOCES DO MUNDO: DONUTS

“A primeira coisa que aprendi é que praticamente todas as civilizações têm algum tipo de donut” (KRONDL, 2013, p. 40).

Pensa bem: isso faz todo o sentido. Uma receita fácil, com ingredientes simples, cuja massa é deliciosa, fofa e aerada – e que, além de tudo, é frita (deu até vontade de chorar de tanta lindeza). O primeiro passo para a fama foram os holandeses que deram, quando levaram os olykoeks para os Estados Unidos, nos idos de 1600. O reconhecimento literário dos dough nuts, porém, só se deu em 1809, no livro A History of New York, onde o autor os definia como “bolas de massa doce, fritas em gordura de porco”. E o furinho no meio? O capitão de um navio mercante, Hanson Gregory, alega que a invenção é dele. Pessoa exigente e astuta que era, ficava irritado com o centro cru das bolinhas de massa frita, e resolveu usar uma lata para criar um buraco no meio (estou esculpindo em pedra sabão uma estátua do seu Gregory, muito merecida).

Donuts (receita do blog e vlog Joy of Baking)

2 1/4 xícaras (295g) – 2 1/2 xícaras (325g) de farinha (dependendo da consistência da massa)
1 1/2 colher de chá de fermento biológico
3 colheres de sopa manteiga sem sal (40g) em temperatura ambiente
3 colheres de sopa (40g) de açúcar refinado
1/4 colher de chá de sal
1/2 xícara (120ml) de leite morno
1 ovo grande levemente batido
q.b de óleo para fritar

Primeiro, faça um teste com o fermento biológico, para ver se ele está funcionando: coloque em um copinho o fermento, uma parte do leite e uma parte do açúcar. Essa mistura deve crescer lindamente, até ficar bem rechonchuda (caso contrário, jogue fora que não vai vingar). Durante a espera, pode ir preparando o resto: em uma vasilha grande, adicione a farinha e a manteiga e, com a ponta dos dedos, misture até virar uma farofinha. Acrescente o restante do açúcar e o sal. Faça um buraco no centro e coloque o leite , o ovo e a mistura do fermento, que deve estar inflada e bem aerada. Agora é a hora mais melequenta e mais linda, que pode ser feita manualmente (para aqueles que têm o hábito de lavar as mãos) ou com a batedeira (para os frescos): vagarosamente, para apreciar o momento, misture tudo até formar uma massa homogênea, e transfira para uma superfície enfarinhada. Sove a massa durante cerca cinco minutos, tempo perfeito para extravasar a raiva e deixar o donut-to-be prontinho pra descansar e crescer. A massa deve ficar lisa, elástica e não grudenta (se ela estiver muito mole, não se desespere: é só adicionar um pouco mais de farinha, uma colher por vez. Se ela estiver dura e quebradiça, não sei o que te dizer, desculpa. Talvez seja melhor chamar uma tele-entrega). Deixe a massa no formato de uma bola e coloque em uma vasilha untada com manteiga ou óleo (ou banha de porco, sem preconceitos). Cubra e vai ver um filme (considerando que ele dure entre 1h30 e 2h, e não uma maratona de Senhor dos Anéis), que nesse meio tempo ela vai dobrar de tamanho. Coloque a massa sobre uma superfície enfarinhada, e abra ela com o rolo até ficar com uma espessura de 1cm. O tamanho dos donuts fica por conta da fome do indivíduo, mas, a quem interessar possa, os meus tinham cerca de 10cm. Disponha os donuts e os donuts holes em uma forma enfarinhada ou papel manteiga, e aguarde entre 30 e 60 minutos.

Eu sei que, a essas alturas, você já deve estar pensando porque raios não foi na padaria e comprou um sonho, mas falta só mais um pouco, relaxa o coração. Despeje um litro de óleo (ou cerca de 5cm de altura) em uma panela e deixe esquentar até 190ºC (caso não tenha um termômetro, faça aquela mandinga de colocar um palito de fósforo dentro: quando acender, está pronto pra festa). Frite os donuts até que fiquem douradinhos, cerca de 30 segundos cada lado. Eu sei, caro(a) amigo(a), que você olhou de forma jocosa para os donuts holes, mas eles são um delicioso snack pré donut e dão uma acalmada nas lombrigas. A escolha da cobertura é livre, podendo ir desde frutas até bacon (ninguém está aqui para julgar, até porque bacon é amor). Eu fui de ganache de chocolate e açúcar com canela (particularmente, meu preferido), acompanhados de café passado na hora. Exame de triglicerídeos e níveis de glicose não são recomendados após a ingestão do produto.

 Fonte: KRONDL, Michael. Donut Planet. Saveur, Palm Coast, n. 154, p.38-65, 2013.

11 Responses to Doces do Mundo: Donuts

  • Amando as receitas como sempre. Ri alto com a escultura de pedra sabão.
    Vou testar sua receita qualquer hora. Tenho preconceito com donut pq acho muito doce, mas se eu controlar minha própria quantidade de açúcar não vai ter erro! :)

  • Bárbara says:

    Fátima, são muito bons mesmo! Vale a pena fazer em casa (:

    Guilherme, assim que der (e os exames de glicose normalizarem hehe) eu faço de novo pra ti <3 <3

    Träsel, fico muito feliz que tu gostou do blog – o sentimento é recíproco, adoro o teu (:

    Brigadeiros e Barcelona, que bom que tu riu com o post (eu sempre fico em dúvida se a piadinha vai dar certo hehe). A massa do donut eu achei bem neutra – geralmente a doçura fica por conta da cobertura. Escolhe a tua preferida e faz, porque é lindo demais :**

  • Graci Mainardi says:

    Bárbara,
    Sempre acho um pé-no-saco fazer essas massas com fermento biológico fresco.
    Mas teu texto é tão gostoso de ler qto comer um donut fresquinho, então meu filho vai ser o sortudo apreciador desta delícia no finde.
    Se depender de mais um comentário positivo, siga em frente com esse “modo de fazer” espirituoso e divertido. Tenho certeza q vai estimular muito teus leitores a se aventurarem na cozinha.
    abraço.

  • Bárbara says:

    Camila, sabe que eu desanimo com fritura também? Mas o meu amor por donuts é tão grande que deixo o desânimo de lado e me entrego haha (: Beijos!

    Graci, que alegria de ler teu comentário! Ah, e tenho certeza que o teu filho vai adorar a ideia de comer donuts feitos pela mãe, bem fresquinhos e cheios de amor. Beijos!

    Jô, muito feliz de saber que tu gostou do blog! Volte sempre – e pode ter certeza que sempre vou voltar no teu (: Beijos!

    • Bárbara says:

      Oi, Taiane! Eu também tenho meus problemas com a fritura hehe. Olha, eu nunca tentei assar, mas acredito que dê certo sim, pois não deixa de ser uma massa semelhante ao pão :) Depois me diz se dá certo! Beijos

Deixe uma resposta para Bárbara Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current [email protected] *